ITAMBÉ: PREFEITO EDUARDO GAMA DEIXA O PMDB E SE FILIA AO PT

Com imensa satisfação anunciamos o Prefeito de Itambé (BA), Eduardo Coelho de Paiva Gama, como novo filiado do PT.

O prefeito Eduardo Gama tem todos os requisitos e um trabalho prestado à sociedade que o qualificam a fazer parte do Partido do Trabalhadores.

Funcionário público federal por 32 anos, atuou no Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS), sendo que, nos últimos cinco anos, esteve à frente da gerência Executiva da agência de Itambé, prestando excelentes serviços à comunidade baiana.

Na figura de homem público exerceu três mandatos consecutivos como vereador em Itambé, entre os anos de 2001 e 2012. Seu atuante trabalho como legislador o credenciou a se candidatar a prefeito deste importante município.

Em 2016 foi eleito prefeito de Itambé, na oportunidade, teve considerável apoio do PT. Para a felicidade de todos, sua gestão vem superando as expectativas da cidade.

Eduardo comentou um dos principais motivos que o levou ao PT: “Depois de seis anos de PMDB chego às fileiras do PT por acreditar na proposta política e na forma como o governador Rui Costa (PT) trata a Bahia e os baianos”.

As  informações são do deputado federal Josias Gomes – licenciado do PT/Bahia e atualmente titular da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

Fonte: JG

11 Comentários para: “ITAMBÉ: PREFEITO EDUARDO GAMA DEIXA O PMDB E SE FILIA AO PT

  1. Carlos Eduardo

    Faz uma matéria ai sobre a greve nas universidades estaduais na Bahia e dos cortes dos investimentos nas mesmas, e aproveita e fala também sobre o congelamento de salários dos funcionários públicos da bahia inclusive desses professores dessas faculdades que estão em greve. Chega ser irônico ver tanta matéria no seu blog sobre Bolsonaro em relação os supostos cortes nas universidades federais e nenhuma matéria sobre os cortes nas universidades federais e estaduais.

    Responder
  2. Sindicalista

    Professores e estudantes das Universidades Estaduais da Bahia estavam acampados na Secretaria de Educação, desde a terça-feira (4), para cobrar avanços na negociação da greve docente, iniciada há quase dois meses. Após um temporal na tarde da quarta-feira (5), os manifestantes decidiram se abrigar no prédio da Secretaria de Ciência e Tecnologia, quando a Polícia Militar tentou barrar a entrada com truculência. No momento, o movimento negocia com representantes do governo e deputados a permanência no local e entrada dos demais professores e estudantes que aguardam na área externa do prédio sob forte chuva.

    “Todas as nossas barracas que estavam em frente a Secretaria de Educação do Estado da Bahia molharam, nossas roupas, nossos colchonetes, todos os nossos pertences. Já prevendo que a chuva iria continuar, […] entramos na Secretaria Ciência e Tecnologia para nos abrigar e fomos recebidos pela Polícia Militar, do governo Rui Costa, de maneira ostensiva, violenta, sem compreender que nós […] não poderíamos continuar ao relento”, conta Soraya Adorno, presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Adusb).

    O coordenador do Fórum das Associações Docentes, André Uzêda considera a situação muito delicada e destaca que “o governo não acena com uma tentativa de deixar as portas abertas e a entrada livre e a saída dos professores e estudantes”, além disso “não temos acesso aos banheiros”. Para permanecerem no prédio, os manifestantes improvisaram banheiro com garrafa de água.

    O governo Rui Costa escalou o Coronel Sturaro, Comandante de Operações da Polícia Militar para negociar com professores e estudantes. Para a secretária geral da Adusb, Iracema Lima, a ação é uma demonstração da “incapacidade do governo estabelecer qualquer diálogo com o movimento docente. Isso demonstra as contradições do projeto do petista baiano, que na mídia defende as liberdades democráticas, mas pela força policial tenta amordaçar os docentes das Universidades Estaduais”.

    As reivindicações

    Os professores cobram do governador o compromisso de não alteração do Estatuto do Magistério Superior, sem consentimento do movimento docente. Respeito aos direitos trabalhistas como promoções, progressões e mudanças de regime de trabalho. Reajuste salarial de 5,9% em 2019. Fim do contingenciamento orçamentário nas Universidades Estaduais da Bahia, dentre outras questões.

    Responder
  3. Dudu

    Ele não ganha mais aqui na cidade pq ele só fico na história e que história fracassada , sempre votei nele como vereador e quando se candidatou a prefeita só que sinceramente mim ele deixou a desejar e muito .só deu moral para as panelas ,tem exame do meu filho que tem um ano e não marcam
    Eu imaginei que por ele ter uma criança especial ele poderia olhar mais para a população que tbm te
    m filhos especiais

    Responder

Deixe uma resposta para Claudio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *