UM HISTÓRICO DAS PESQUISAS NA BAHIA; UMA DECEPÇÃO PARA O DEM

As pesquisas, principalmente no Estado da Bahia, têm um histórico de erros grosseiros ou talvez, algumas empresas de pesquisas sempre souberam do cenário e tentaram, tentam e tentarão manipular o eleitor. Mas o fato é que desde de 2006, essa tática NÃO vem dando certo. O campeão de erros na Bahia é o Ibope.Veja que em 2006, uma pesquisa Ibope da Rede Bahia (afiliada da Rede Globo), divulgada no dia 16, de maio revelava que não haveria segundo turno na corrida estadual, onde de acordo a pesquisa o então governador Paulo Souto, pré-candidato do PFL, na época, teria 57% das intenções de voto na disputa com os principais possíveis adversários – o ex-ministro das Relações Institucionais Jacques Wagner (PT), com 10%; ex-prefeito de Salvador, Antonio Imbassahy (PSDB), com 13% e o ex-governador João Durval (PDT), 15%.

Naquele ano (2006) a pesquisa Ibope dizia que não haveria 2º turno na Bahia e que Souto seria reeleito ainda no 1º turno, mas não foi bem assim, o petista Wagner foi eleito governador da Bahia pela primeira vez, derrotando o grupo do então senador Antônio Carlos Magalhães. O petista se elegeu com 52,89%, o atual governador, Paulo Souto (PFL), ficou em segundo lugar com 43,03%.

2010  Pesquisa encomendada pela direção nacional do Democratas ao Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPES/Lavareda) apontava que, na Bahia, o ex-governador Paulo Souto teria 43% dos votos; o governador Jaques Wagner, 34% e o ministro Geddel Vieira Lima, 14%.

Resultado – O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), foi reeleito no primeiro turno com 63,83% do votos válidos no estado. O ex-governador Paulo Souto (DEM), com quem Wagner disputou o governo, teve 16,08% dos votos válidos e Geddel Vieira Lima (PMDB) terminou a eleição 15,56%.

2014 –  Com Rui Casta candidato do então governador Wagner

O ex-governador Paulo Souto (DEM) seguia na liderança da disputa pelo governo da Bahia, com 43%, na época a pesquisa garantia sua eleição no primeiro turno. Mas não foi bem assim, o deputado federal Rui Costa (PT), que contava com apoio do atual governador Jaques Wagner (PT), de acordo a pesquisa baiana aparecia com apenas 27% das intenções de voto.
 
Resultado 2014 – Rui Costa foi eleito com 54,5% dos votos, contra 37,4% de Paulo Souto. Na disputa pelo Senado, Otto Alencar (PSD) foi eleito com 55,9%.  A eleição lembrou a votação de 2006, quando o mesmo Souto liderou a corrida eleitoral, mas foi batido pelo também petista Jaques Wagner. É a terceira eleição consecutiva vencida pelo PT no Estado.
 
2017 – ACM Neto lidera a preferência com 49%, contra 33,7% de Rui. Se comparada com a primeira pesquisa do Paraná divulgada em junho, Neto, que tinha 54,4%, caiu e Rui, que tinha 24,1%, subiu.
 
Para o Senado e Presidência, Jaques Wagner dispara, com 39,9%, seguido de Alice Portugal (PCdoB), com 26,5%, Zé Ronaldo (DEM), prefeito de Feira de Santana, com 14%, e Tia Eron (PRB), 9,5%, os dois primeiros, aliados de Rui; os dois últimos, de Neto. Para presidente – Lula, que antes tinha 43% agora tem 48,9%.
Por Roberto Alves

Um Comentário para: “UM HISTÓRICO DAS PESQUISAS NA BAHIA; UMA DECEPÇÃO PARA O DEM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *