ITAPETINGA: MORADOR DE RUA É MORTO À FACADA NO CENTRO DA CIDADE 

O morador de rua, Gabriel Alves dos Santos, foi morto à facada na tarde desta quarta-feira (11.08) no centro da cidade de Itapetinga. De acordo informações, Gabriel foi atingido com uma facada no pescoço por um rapaz próximo à praça Augusto de Carvalho (praça de Táxi).

O “Cidade Acontece” esteve conversando com o tio de Gabriel, Lucas Alves dos Santos, que aparece na foto, ele nos informou de que o seu sobrinho veio da cidade de Jequié e estava morando nas ruas de Itapetinga. Outra senhora moradora de rua, que conhecia Gabriel, nos confirmou a informação do tio do assassinado.

Lucas Alves dos Santos, tio de Gabriel

Ainda de acordo Lucas, de 33 anos, seu sobrinho tinha 22 anos. Um taxista disse que viu o momento em que o jovem passou próximo a ele, dizendo estar furado e caiu mais na frente. O corpo de Gabriel estava na Alameda Ruy Barbosa no centro da cidade.

A polícia Militar, a Guarda Municipal e o SAMU 92, estavam presentes no local. O crime aconteceu por volta das 17:10h.

Por Roberto Alves

Um Comentário para: “ITAPETINGA: MORADOR DE RUA É MORTO À FACADA NO CENTRO DA CIDADE 

  1. Águia

    A Promotoria Pública, Governo Municipal ou QUEM FOR DE OBRIGAÇÃO, precisam rever a legalidade, se é que existe, dessas pessoas que ficam nos estacionamentos públicos, abordando os motoristas e muitas vezes de forma agressiva, ameçadora.
    Do mesmo modo que o Jacinto assassinou o Gabriel, teria feito com qualquer pessoa que o contrariasse! Afinal, creio que eles oferecem mais riscos do que segurança à população. Quem nunca se sentiu intimidado pelas abordagens desas pessoas? Eles acham que as vias públicas lhes pertencem e que nós, que já pagamos impostos inúmeros, ainda temos obrigação de pagar para estacionar em vias públicas.
    O município derrubou barracas em frente à UESB por achar q aquelas pessoas trabalhadoras não mereciam estar ali, destruíram tabuleiros de ambulantes que há décadas ttabalhavam na Alameda, por qual motivo permitem que esses “flanelinhas” povoem o centro da cidade? Seriam mesmo “trabalhadores”? Com qual intenção o Jacinto, assassino, estaria armado? Será ele o único a portar armas?
    Se as autoridades acima citadas quiserem manter essas pessoas fazendo o que fazem, abra um estacionamento, registre-os para trabalharem nele! Esses dias saindo com a minha família das Lojas Americanas, um desses tais flanelinhas, abordou meu esposo como se fôssemos obrigados a lhe dar algum dinheiro!
    Por mim acaba com essa presepada! Não vejo prestar nenhum serviço à sociedade, ao contrário, quando contrariados vidros são quebrados, chaparias arranhadas e pneus esvaziados.
    A ZONA AZUL é o jeito decente de se trabalhar, por quê acabou?

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *